Algumas telas ganham, com o tempo, tal projecao, que muitas vezes, em lugar de representarem o evento que figuraram, se transformam, elas proprias, em documentos e testemunhos. E esse e sem duvida o caso da imensa pintura de Pedro Americo de Figueiredo e Melo (1843-1905) chamada Batalha do Avahy. A tela retrata um episodio marcante da Guerra do Paraguai, embate que prefigura, ao mesmo tempo, o apogeu e o comeco do declinio do Imperio Brasileiro. E para retratar o evento que ocorreu em 11 de dezembro de 1868, o artista nao fez por menos: produziu uma pintura de 50 metros quadrados e nela jogou a sorte da monarquia. De um lado pintou o 'civilizado e ordeiro' exercito brasileiro; de outro, 'os barbaros' paraguaios com seus atos vis. De um lado, os vestidos, de outro, os nus. Produzida originalmente na Italia por encomenda do Estado, o quadro chegou ao Brasil em junho de 1877, e a partir dai comecou a sina da recepcao e circulacao dessa obra que tocava em temas centrais daquele momento historico: a guerra, a violencia, a presenca de negros libertos, o lugar do exercito e dos comandantes do Imperio na sociedade brasileira. Este livro narra detalhadamente diferentes faces dessa grande pintura que virou um icone nacional. Polemica, ela revelou, para a cultura visual de seu tempo, como era ambiguo o mundo da politica e quao borradas se encontravam as fronteiras entre ficcao e nao ficcao.